Surpresa na estrada

Recapitulando pra quem perdeu: trajeto de Queenstown até Christchuch Parte II: Wanaka até Lake Pukaki.mapa wanakaSempre sempre tire foto do seu mapa, pois você pode perdê-lo e o Ipad não é suficiente. #ficadica Olha aquela cidade ali Tarras, muito nome medieval véi!

Após o hotel antigaço, dirigimos até Wanaka e o lago homônimo, sendo o quarto maior lago da NZ com 192 km2  com 300 m de profundidade O.o. Muitos muitos vulcões e geleiras pra criar tantos lagos e montanhas num lugar só fala sério. wanaka2Pena que o dia estava nublado e friozinho. Wanaka tem umas paradas aventurescas e mortais, tipo Skydiving, snowboarding, escalada e pescaria (vai que tem um monstro nesse lago).wanakaAlém do lago não tem muita coisa pra ver na cidade, a qual é pequena com várias lujinhas. O bizu é visitar cachoeiras, subir montanhas, pedalar por aí…atividades para o verão com muito sol pra pele ficar morena cor do pecado.sanduiche fracoAproveitamos o visual para almoçar um sanduba esperto.Deu moh peleia entre patos e gaivotas nesse momento, estavam todos famintos e sedentos por qualquer coisa que caísse da nossa mão, se marcar comiam até dinheiro. O André foi perseguido por uns 20 patos durante uns cinco minutos e conseguiu sair vivo depois de muito tenkan (esquivas). Dali pegamos a estrada de volta em direção a Twizel para ver cenários do Senhor dos Anéis. Entramos na cidade e vimos que teria que dirigir um bocado, entrar nas fazendas até aparecer alguma coisa hobbitiana e desistimos pois já estava escurecendo e os albergues ali não foram muito convidativos. Continuamos tristes o caminho, mesmo porque não esperávamos lugares surpreendentes após Milford Sound. Mero engano.lindispassdocoracaoEssa imagem fantástica tem ZERO ZERO de photoshop. Só muita astúcia, técnica, amor no coração de quem vos escreve e câmera boa da sony (daquelas que era pra ser reba, porém capricharam na bichinha).   Esse é o ponto Lindis Pass, o mais alto (971 m) da estrada State Highway 8 entre Cromwell e Omarama. Se eu não estivesse passando tanto frio e tossindo os pulmões pra fora, teria ficado aí por uns cinco minutos. Fiquei realmente impressionada….até o lugar seguinte.lake pukakiFoto roubada honestamente do André Matos (calma gente, não tem nada a ver com Angra). lake pukaki 2Esse sim é ‘O’ lago com efeitos espelhados. Nossa querida Wikipedia diz que o lago Pukaki é azul devido a “alimentação glacial” de partículas de rocha extremamente finas vindas das geleiras. Isso necessita um meme.yeahsciencebitch

Dorgas mano, muita metanfetamina ali e da azul ainda XD… como não sou cientista, eu prefiro acreditar que é mágica e que quando não tem ninguém admirando o lago surgem unicórnios, pirilampos e arco íris.

Anúncios

Roxo no branco

Finalmente chegou o dia que vi neve pela primeira vez! wiiii Mas até aí, muita água rolou.

Usei metade do meu óleo de peroba para pedir roupas especiais de neve e quentinhas para amigos do curso e consegui com sucesso!!! Duas almas bondosas com muito amor no coração, diga-se de passagem Talita e Amanda, salvaram a pele dessa que vos escreve de vez em quando emprestando jaqueta, calças e luvas. Fico eternamente grata gurias, voltando pro Brasil chamo vocês para um xixo e um steinhaeger típico união vitoriense loco de bão!

Em Queenstown há duas montanhas que você pode esquiar, snowboardiar ou arrebentar os dentes: Coronet Peak e Remarkables.  Fomos nesta última, pois oferece desconto para estudante e não faz diferença se tem mais opções de pistas ou se são melhores, vamos cair do mesmo jeito, tudo noob.  Vá na lujinha, adquira seu cartão montanhês, lift pass (passagem pra subir a montanha de bondinho) e passagem do busão (5 + 72 + 15 NZD aproximadamente). Snowboard ou esqui é esporte de RYCO, RYYYYYYCO!!! Recomendo comprar o lift da tarde pra quem é noob, pois dá pra praticar/cair de boa numa área antes do lift.

A próxima etapa é checar a previsão do tempo, se rola ou não ski no dia seguinte, Se sim, dá pra alugar a prancha, botas e goggles. Em Queenstown há muitas lojas que alugam equipamentos, porém tem as chiques, as profissa e  tem as reba. É obvio que fomos nessa, pois saiu em torno de 22 pilas kiwis diários e com alguma lábia consegue usar mais um dia com desconto e devolver cedinho.  Vá na loja um dia antes, pois os caras são meio lerdos (me conte uma novidade) e demora até encontrar a bota ideal, que fique bem presa no seu pé. Quando pegar a prancha verifique o tipo de fechamento (a parada que prende a bota na prancha) pois pode ser muito vagabundo e estragar o seu dia na montanha (congela, não prende, quebra…). Dica recomendadíssima. 4/4 amigos aprovam. Carregue todo seu equipamento até o hostel, com sorte tem um depósito!

No dia seguinte, alimente-se bem, faça um sanduíche esperto e corra pro busão, pois a fila já deve estar grande!!remarkablestodos inteiros e lindos antes das quedas…algumas horas depois esse sorriso some. lift Fila pra subir no lift. Uma das partes mais chatas do snowboard é ficar com um pé solto e o outro preso na prancha (e sobe o lift assim também) ainda mais se você usar o pé contrário na frente dos seus amigos. A taxa de enroscamento é menor se for o mesmo pé. A parte seguinte é se preparar pra sentar porque o banco vem rapidão, se ajeitar e baixar a barrinha de segurança.DCIM100GOPROAté aí tudo bem. Parabéns kapião. Agora quero ver você descer do lift com classe e phynesse. Pfff já levei pranchada na nuca, dei pranchada na cabeça, arrebentei a bunda no prendedor da prancha, derrubei meus amigos, dei porrada SSX style (dica do Carlos XD)…. Não demorou muito pra aprender a gritar desesperadamente SLOW DOWN (tradução literal: ooo você guria que ta varrendo aí, presta atenção e faz teu trabalho, diminui a velocidade desse troço pra eu me arrebentar menos!). Mesmo assim só consegui descer uma vez sem cair e ainda sentei na prancha no meio do caminho. .lindasnaneveDetalhe pro cabelo: recém queda de boca na neve FATALITY!!! Pelo menos dessa vez foi queda na neve macia, já a anterior…senti o osso da bacia rachando. Minha câmera estava no bolso e não sei como funciona ainda. Milagre de Odin.DCIM100GOPROBeijo pras recalcada . #fuisanduicheneveHora do almoço!! Achamos um sanduíche empacotadinho no banco. Arriscamos. Coisas que a gente se arrepende depois, muita pimenta! Poderia ser pior: laxante!!! LoLtombosColeção exclusiva com os melhores tombos da sessão da tarde. Nem em treino de aikido cai tanto e o pior que nem tem como fazer uns ukemis, a prancha prende e PIMBA perdeu três dentes e rachou o queixo. Ainda bem que tenho seguro de vida. Tem horas que você cai tanto e dói demais demais, quer sair dali, largar os bets. Do djanho esse troço! Quase chorei umas duas vezes de raiva. Snowboard parece fácil no SSX do PS3, mas na vida..até o trocar de lado é complicado. Não tente descer a pista maior no primeiro dia, só stress, sangue e lágrimas virão.DCIM101GOPROO bizu dessa foto era deslizar e “espirrar” neve, mas não deu certo. Valeu o esforço.Gente olha essa luva congelada. Aluguem luva fechadinha pra não amputar os dedos depois pfvr.vistaVista linda né?…mas tá vendo aquela neblina ali? Espere até ela subir enquanto você está descendo porcamente para sentir o frio penetrando sem dó nos seus ossos, sugando calor, esperanças e sonhos do seu corpo e confundindo sua mente com ilusões. “Acabou a festa, quero pegar o busão e um banho quente”. Se não for 4 da tarde isso pode vir rápido. Se não fica na fila até a sua vez do busão chegar, o que pode demorar 30 a 40 min de hipotermia + 30 até o centro.

 

Partiu Swing

Provavelmente a coisa mais legal que você verá hoje. Mãe não me mate, pois eu sobrevivi e quero continuar vivendo 😀

O que é: uma balança gigante presa em alguns cabos sobre rochas, cascatinha e carneirinhos a 160 m do solo, a mais alta do mundo.

Velocidade que os loucos atingem na queda: 120kph

Comprimento do arco: 300m

Comprimento da corda: 130m

Medo:100%

Use a sua esperteza! Arranje 4 amigos e marque o pulo duplo de todo mundo na internet para ganhar desconto. Eles não precisam saber, só quando chegarem lá. Prêmio jóinha de satisfação.

Mas como chegar até o local do pulo? Simples, vá até a lujinha da AJHackett no centro de Queenstown, preencha a papelada (basicamente seu atestado de óbito), se pese (pois cada corda tem uma massa diferente) e vá pro busão. Não tem como subir no local com o seu carro alugado chuchu, o terreno é muito íngreme e só permitem a passagem com autorização do rádio. Lá no topo tem uma estação/lujinha bem legal com computadores, sofázinhos e água. Só você ir no banheiro para evitar o mesmo acontecimento daquele velhinho alemão tadinho e escolher se você deseja pular de bungee (134m) ou swing (160m). Eu me contentei com o balanço, obrigada.swing3 swing4

swingnevis1morriswingnevis2Mas qual a sensação? hmmm… Imagina aquele friozinho gostosinho na barriga que você tem quando tão dirigindo e passam por uma elevação surpresa. Nope, não tem nada a ver… é o frio da montanha russa mais demoníaca multiplicada por 15646467984x com o diabo dando uma super voadora nas suas costas e você cai no precipício rodeado por vultos negros alados e sedentos por almas por 6 segundos. Daí você abre os olhos, percebe que não desmaiou e vê carneirinhos ownn *-* o pesadelo acabou.  Eu recomendo.

Cidade da rainha

Eu moro no norte de Auckland e pra chegar no aeroporto é um sufoco, ainda mais com vôo marcado as 7 da manhã (madrugada). Para resolver o problema, nos convidamos (self invite) pra dormir na casa de uns indianos gente fina do curso, pois eles moram lá perto e tem carro. A gente tem a lábia e eu muito óleo de peroba.  O engraçado é que aceitaram sem hesitar. Beleza, ficamos mais contentes ainda quando nos pegaram em casa, pagaram janta (pizza e cerveja que não comem nem bebem devido a crenças etc) e nos levaram no aeroporto no dia seguinte. E ainda dormiram na sala e no frio (noite mais fria em AKL) tadinhos pra gente dormir na cama deles (e  estava limpinha!!!). Esses são abençoados por Shiva! Dormimos duas ou três horas naquela noite, quase perdemos o vôo pois tava todo mundo dormindo sonolento e frio do djanho lá fora,  mas valeu muito a pena, economizamos algum dinheirinho sagrado!!!

Depois de uma hora e meia voando, a paisagem é esta.queenstownvoomuitas muitas muitas montanhas, rios e oceano!!!queenstownvoo2Nosso vôo foi tranquilo, mas meus amigos tiveram algumas turbulências nessa parte ae.IMG_0329Chegamos na cidade da rainha! E pra me receber um caminhão de mana! Já comprei meu estoque, lvl up em breve! Vista do aeroporto que não fica em Queenstown e sim Frankton, mas né, a cidade maior fica com a glória a la CWB. RIP SJPIMG_0336Vista do busão e ~tubo~ .

Queenstown é uma mini cidade que sobrevive por causa do turismo de aventura (lê-se atividades que você gasta uma nota para quase morrer, tipo bungee jump, ski, skydiving). É uma cidade bem simpática,  fácil de se movimentar(se você conseguir hostel no centro) e linda. Ouvi dizer que tem vários bares e baladas (mesmo porque não fui em nenhuma, dores do snowboard e gripe). Infelizmente não tenho nenhuma foto reluzente da cidade, pois o único dia que andamos por ela estava nublado e meio que nevando toscamente.  O que eu senti sobre Queenstown: a cidade tem um centrinho com lujinhas estreitas e turísticas, uma parte portuária com hotéis,  árvores e churrasqueiras e uma parte com casas, hotéis, motéis, albergues e o que imaginar pra dormir tem. Quase todos os prédios possuem um estilo europeu e tudo é muito novinho e planejado, provavelmente porque a cidade foi fundada em 1860 e talz.

As lujinhas vendem de tudo, desde tapetes de ovelha, bichinhos com pele de alpaca ou lhama, cachecol de esquilo até as lembranças normais tipo cartão postal. E não deixam fotografar nada!alpacaNa mocagem tudo vale! Se não fosse o olho da cara, presente amor no coração garantido pra Karin.

O lago que banha a região se chama Wakatipu e é o terceiro maior lago do país com 80km de comprimento. Tirando o monstro, este lago é muito parecido com o Ness da Escócia e já foi utilizado para gravações hollywoodianas no filme The Water Horse: Legend of the Deep. E nem preciso falar do outro filme né. Amon hen, Lothlórien, Dimrill Dale, Rohan e Argonath foram filmados aqui e ali. Também teve algumas produções perdidas de Bollywood. queenstown3não tinha tanto pato assim gente, é CG.waikatipuVista da parte com churrasqueiras..faltou uma costela e tempo bom 😀

Na ida pro mercado nevou!!! Detalhe pro mercadinho que fica no centro: muita gente, muito pequeno e muito caro. Saia dele, vire a direita e quando não der pra ir reto, vá pra esquerda. Lá tem outro mais em conta!neveNão caiu na mesma quantidade do que em Guarapuava mas tá valendo!!!

Tauranga e o vulcão

Tauranga é um dos lugares mais bonitos que conheci. Definitivamente.É a cidade mais populosa da ragião Bay of Plenty, situada no leste da ilha norte. E também mais baladinha que Takapuna u.utaurangaDecidimos ir pra lá por acaso. Apareceu a placa e fomos. Simples assim, sai do Condado e vira a direita ali. Fomos informadas pela pilota do Pierre que a vista é linda e que dá pra subir o Monte Monganoi, Munganui, algo assim… O certo: Maunganui!!!  Outro vulcão extinto ( até voltar para o Brasil faço uma lista de quantos subi!). Segundo a nossa amada Wikipedia a formação desse monte possibilita uma praia para porto (Pilot Bay) e uma praia oceânica ótima para surf mas também perigosa com partes rochosas cortantes e mortais MUAHAHA. Nosso objetivo era subir o monte e ver o pôr do sol de lá, porém decidimos brincar de atletas e contorná-lo antes. Vish.  Isso vai dar treta.tree taurangaAh se eu soubesse que seria tão cansativo tinha ficado por aqui mesmo.tauranga2Valeu a pena andar um monte: a vista compensa cada passo!tauranga3O monte é tipo um point da galera, tinha muita gente caminhando por ali em todas as direções. No caminho há várias conchas, muitas mesmo, deixam o chão branco em certos locais. Provavelmente estão ali há muito tempo, resultado de alguma era longínqua quando não havia ovelhas em todos os cantos kiwis. Uns 50 minutos depois, quando completamos a volta, começamos a subir pela ‘rampa natural’. O caminho hardcore com degraus intimou, mas deixamos quieto, quem sabe na próxima. Já estávamos esgotadas e quase no fim do caminho quando metade do grupo sentou no banquinho, vendo coelhinhos e o sol se pôr. Eu e a Marina não desistimos, fomos até o final. Em questão de três minutos PIMBA, o sol sumiu e não vimos nada, pois estávamos subindo um caminho tortuoso, cheio de sombras e árvores. -_- Mas chegamos lá!Maunganui*Eye of the tiger rolando no fundo PAN PAN PAN PAAAAAAAAN Risin’ up, back on the street…*sunset taurangado outro lado das árvores foi isso que aconteceu.

Meus joelhos tavam pedindo arrego “PELAMORDEDEUS VAI DORMIR MENINA”, cada passo era uma desgraça, cheguei manca no carro! E ainda tem mais km pela frente!

Próximo episódio de Apure guria: Será que a Angela sobreviverá a mais uma tragédia? Duas horas para chegar em Rotorua! O encontro maori retardado! HIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII!

Diário de Bordo

Como não fiz nada no primeiro final de semana (só perdi um evento mega massa de um Sensei alemão ;.; ) resolvi sair de casa, mesmo com a previsão de chuva. 

O sábado amanheceu super lindo, prometendo sol, suor e câncer de pele. Esperei três horas para enviar a primeira mensagem para os meus novos amigos curitibanos/kiwis, pois estava me acostumando com a diferença de fuso horário. Beleza, tudo certo pra aventura! Comi uma banana rapidão e corri pro ponto de ônibus,  pois se bobeasse perderia não somente o busão, como também o ferry boat (como diria o pessoal de Mallet: féri bôte). Consegui desconto de estudante com o primeiro motorista, mas já não obtive sucesso com o segundo e tive que pagar o valor insatisfatório de 3.40 $NZD. (Em breve em post próximo à você: o sistema urbano piadista de Auckland! 😀 )  O tempo foi piorando conforme chegávamos perto de Devonport, o local de embarque. Vish, engrupição total do tempo.

Dois dos meus amigos já tinham comprado o ticket e acabei comprando também, porque né, sacanagem com eles, tadinhos.

Nosso destino: Rangitoto. Uma ilha vulcânica situada no golfo de Auckland, inativo ha 550 anos, com altura de 260 metros e forma característica, sendo reconhecido por qualquer um com olhos não míopes. Segundo a lenda e nossa amada Wikipedia, Rangitoto quer dizer Céu Sangrento em Maori (a língua dos nativos) e foi nesta ilha que um capitão importante perdeu uma batalha e morreu. Enfim, somente a título de curiosidade.

Silhueta identifícavel até por cães adestrados auxiliares de cegos
No feri bote
No ferry somos avisados que deveríamos ter comida e água suficiente para o tempo que pretendíamos ficar. Ou seja, ficamos sem almoço e lance da tarde. FUUUU Sorte que levei água e um sanduíche ma ruim, ruim … só de mastigar um pedaço ficava satisfeita pra não continuar comendo sapato.

Chegamos na ilha e seguimos o fluxo de pessoas. Aos poucos, elas sumiam da vista, só a trilha pela frente e algumas plaquinhas indicando a direção para o topo do vulcão. O engraçado é que o destino, direção e tempo para atingir o destino estão escritos nelas, porém sempre acrescente 10 minutos a mais pra não ficar na expectativa e decepcionado com a própria lerdeza. Demoramos mais de uma hora pra chegar no topo, ficamos lá por 5 minutos, tempo suficiente pra tirar uma foto juntos e apreciar a vista antes de chover. Thor resolveu passar o sábado nas terras kiwis, curtir uma cerveja com os maoris e o resultado: nos abrigamos num bunker!! Ja, Gott sei Dank! Um bunker da Segunda Guerra Mundial, cheio de goteiras e aberturas pra passar água, vento e frio.

 Cratera do vulcão
 Vista linda
Desafortunados lindos
Bunker decadente

Depois de meia hora (ou mais) resolvemos sair e descer até as cavernas de lava! wow! O nome prometia. Podíamos ter tropeçado e quebrado todos os dentes até chegar na maldita caverna, pois tudo estava muito liso, sem falar que não tinha nem como enxergar dentro, só havia trevas! As lanternas vieram bem a calhar nesse momento, obrigado por fabrica-las Nokia!!

Desistimos dessa vida vulcânica e voltamos ao ponto inicial em fantásticos 30 minutos. bem a tempo de pegar o ferry do meio dia. Mais uns três minutos de atraso e aí sim que minha alma ficaria encharcada. Para a minha infelicidade, descobri que havia água dentro da minha mochila e meus gadgets ficaram molhados! Né, porque afinal, quem que não leva um ipad pra subir um vulcão hein? Coisa mais normal. Sorte que ele estava bem protegidinho e não aconteceu nada, funcionando lindamente. Minha câmera e lanterna/ celular também estavam são e salvos, só uma secadinha aqui outra ali. Já não foi o caso do meu ipod, minha relíquia de 2006, com um giga do mais puro metal alemão e finlandês . Tantas alegrias e tristezas passei a seu lado meu nobre companheiro, amigo de todas as horas. Obrigada pelas músicas que você tocou repetitivamente sem reclamar e aguentar ate o ultimo suspiro de bateria. Não te esquecerei, espero que o japonês da lujinha te ressuscite com mais gigas de memória (pimp my ipod) e traga melodias ao meus ouvidos mais uma vez.

Em um buraco no chão vivia uma guria…

opa, como assim, não era um hobbit? Hmmm, desta vez não.

Tudo começou com a minha paixão por Tolkien, seus livros e o desejo de conhecer a Nova Zelândia. Bem, o tempo chegou. A partir desde post contarei as minhas aventuras kiwis e não esperarei pra contar uma história e tanto somente quando voltar.

“É estranho, mas as coisas boas e os dias agradáveis são narrados depressa, e não há muito que ouvir sobre eles, enquanto as coisas desconfortáveis, palpitantes e até mesmo horríveis podem dar uma boa história e levar um bom tempo para contar.” (Tolkien, sempre com frases ideais para cada momento da vida).tumblr_inline_mph9v9ubJ71qz4rgp

Gente, que sufoco essas duas primeiras semanas. Tudo começou no aeroporto de Curitiba, dia 24 de abril. Choradeira até chegar em São Paulo e querer desistir dessa vida de intercâmbista e voltar pra casa. Desespero pra pegar a mala despachada que não chegava nunca, correr, correr, achar o guichê da LAN e pegar o próximo vôo para Santigo em uma hora. Beleza, consegui! Comidinha massa no avião, pousou lindamente e TARAN vôo cancelado para Auckland!! Motherofgod (calma gente ainda tem mais desastre pela frente).

A LAN ficou responsabilizada pela hospedagem, café da manhã e almoço. Até ai beleza, o problema é a fila que se formou na alfandega do aeroporto, seguida pela fila do busão para levar para o Hotel. Conheci outros loucos na fila e até brincamos sobre o Hotel que fica na frente do aeroporto, que acabaríamos ficando lá e tal. Passeamos pela cidade na madrugada, 2 da manhã, procurando hotel e com frio pra voltar pro ponto inicial. u.u Pelo menos vi que a cidade não era bem o que eu imaginava, é suja, pichada e meio obscura. Teria medo de andar nas ruas (pelo menos no centro).
Consegui um quarto duplo aconchegante no hotel, com chuveiro bem quentinho e INTERNET(Aleluia irmãos! Não existe Internet no aeroporto u.u) Outras pessoas conseguiram banheira e vista para as montanhas. É a vida.

Phynesse e ryqueza
Após o almoço, atravessamos a rua pra retirar o ticket no aeroporto. Sim, fila novamente, de uma hora. Fila pra passar pela alfandega, pra entrar avião e pra sentar. Peguei um lugar na janela, PERTO DA ASA que não dava pra ver nada e minha TV não funcionava, ficava verde nas partes escuras. Jesus. Ainda bem que uma alma bondosa (chamada Priscila) me emprestou a tv para assistir o Hobbit. Nada mais propício, né!
O segredo para aguentar as 14 HORAS de vôo é tomar muita água. Assim você levanta, faz umas amizades, estica as pernocas, rouba uma comida ali, outro suco lá das aeromoças. Dormir nem sempre é a melhor solução.
Beleza, chegamos em Auckland na sexta a noite (o previsto era chegar 17h antes)! Adiós para os chilenos, nunca mais quero ouvir castelhano por um bom tempo. Coitados de quem tinha outra cidade como destino, teve que dormir em outro hotel para pegar o vôo no dia seguinte. Enfim, o aeroporto de Auckland é bem divertido, tem paradas maoris e hobbitianas nos corredores, organizado e limpo.
 anões esculpidos em todos os lugares
arte maori!!
 “Bem vindo em um lugar onde a fantasia ganha vida”
Os kiwis da alfandega foram bem legais e atenciosos (ao contrário de outros lugares), sempre com sorriso no rosto. Saindo do aeroporto, peguei uma van-táxi chamada Super Shuttle, Paguei a fortuna de 48 $NZD para chegar na North Shore, pois estava muito cansada para pegar ônibus normal.As tragédias continuam.Fiquei em uma casa de família não muito acolhedora, que me desconsiderou e ignorou durante o sábado e a semana inteira (ou seja, fiquei em casa). Mostraram rapidamente o centro do bairro (Takapuna) a noite e no carro. A casa e as pessoas que nela moram possuem uma energia negativa, era só sair dela que tudo melhorava. O quarto era frio, a internet não funcionava direito e nem conseguia lavar o rosto na pia, pois a largura dela não ultrapassava 10 cm, ou seja, até pra lavar as mãos tinha que ser de revesgueio (lateral). Chorava toda manhã, quis pegar meu dinheiro de volta e ir embora desse lugar (fiz maior cena na escola na sexta, deu problema com o “suporte”, vish, muitas mudanças emocionais para uma guria só).
Na segunda começou meu curso. A escola é bem boa, professor também, mas o curso naaah. O que eu comprei era um curso mais difícil, não tão básico, claro, pois estava indo para um país desenvolvido, onde a educação é singular e superior a do Brasil. Doce ilusão. Vendedores sabem fazer o trabalho deles muito bem! Fica a dica: peça a matéria que será abordada no curso, não fique somente na opinião do vendedor e nem do que está escrito no site, onde tudo é maravilhoso. Reclamei da situação e o nível aumentou para a minha felicidade e desespero dos outros alunos. Também consegui trocar de família! yayApós tantas decepções (muitas ainda serão contadas aqui), estou feliz, não tanto, mas estou. Ainda preciso me adaptar aos preços altos e absurdos das coisas e ao estilo de vida kiwi. Mas pelo menos estou aqui! :3″O mundo não está nos seus livros e mapas. O mundo está lá fora!” (Tolkien, é óbvio)
 tumblr_mhytsljy9F1rcfff5o2_500